Como Cuidar De Idosas/Crianças/Doentes/Deficientes

Noções Sobre Auto-cuidado, Higiene Pessoal, Social e Ambiental

Os Seguintes Serviços Proporcionam Assistência Domiciliar a pessoas Doentes ou Deficientes:

Assistência Domiciliar de Saúde: são serviços especializados prestados em casa sob a orientação médica. Uma associação de enfermagem ou um médico de sua confiança, por exemplo, podem fornecer informações sobre os vários serviços desse tipo existentes em sua cidade, bem como nomes de profissionais capacitados para executar as mais diferentes tarefas, atendendo as necessidades de seus pacientes. Isso inclui desde aplicar injeções, administrar medicações e controlar a pressão sanguínea, até mesmo ensinar os membros da família a cuidarem de seus doentes. Em muitas regiões, os hospitais públicos oferecem serviços de fisioterapia, terapia ocupacional, fonoaudiologia, avaliação geral da saúde, assistência social, psicoterapia e programas de nutrição.

Amigos e Parentes: eles podem ajudar bastante no tratamento domiciliar de uma pessoa doente. Ao perguntarem o que podem fazer, pense sobre o que está precisando, quais são as suas prioridades e de que forma eles poderão efetivamente auxiliar o doente e você. Ofereça, então, algumas sugestões. Não encare essa situação como impositiva. Provavelmente, eles também estão preocupados e interessados em ajudar.

Organizações: grupos sociais ou a igreja à qual você pertence também poderão se interessar em colaborar. Aceite esse tipo de oferta. Médicos, enfermeiros e, especialmente, assistentes sociais estão familiarizados com serviços públicos e privados que podem fornecer atendimento especializado. Freqüentemente, os assistentes sociais funcionam como um canal de comunicação entre a família, o paciente e a instituição médica, buscando soluções adequadas para cada situação específica.

Farmácias e Empresas de Utensílios Médicos: mantenha em casa tudo o que for necessário ao cuidado do doente. Procure alugar, em vez de comprar, os equipamentos mais importantes — por exemplo, um andador (esquerda). O aluguel é mais econômico, especialmente quando se trata do uso temporário de um equipamento caro. É válido, ainda, dar ao paciente a possibilidade de experimentar vários tipos antes da aquisição definitiva.

Clínicas para Idosos: algumas delas são especialmente equipadas para cuidar de doentes terminais, com ênfase no alívio da dor e na segurança do ambiente. A meta é manter o paciente em contato com seus amigos e familiares, ao mesmo tempo que permite que ele continue envolvido em atividades de sua preferência.

Programas Assistênciais para Adultos: oferecem desde supervisão médica até assistência para a reabilitação, como atividades sociais e recreativas. Esses programas são geralmente desenvolvidos por grupos associados a igrejas e procuram atender, principalmente, idosos que preferem permanecer em suas casas em vez de ir para uma clínica.

Transporte Facilitado: em algumas cidades, o serviço de transporte é franqueado ou facilitado para idosos ou deficientes.

Serviços Domésticos: existem pessoas treinadas para realizar serviços domésticos para idosos ou deficientes. Informe-se em hospitais ou agências especializadas.

Organizações de Saúde Integradas por Voluntários: oferecem serviços prestados por voluntários capacitados a realizarem os mais diversos tipos de atendimento e cuidados de doentes.

Programas de Reabilitação: orientam, treinam e dão assistência a todos que sofreram algum problema de saúde e ainda desejam ter uma vida ativa dentro de seus próprios limites. Pessoas que sofreram um derrame ou um sério traumatismo cerebral podem participar desses programas.

CUIDANDO DAS PESSOAS DOENTES

Hoje em dia, recomenda-se com freqüência o tratamento de pessoas doentes ou feridas em casa, e são amplamente reconhecidas as vantagens desse tipo de prática: além de ser mais econômica, oferece ao paciente segurança, tranqüilidade e privacidade, que, com certeza, contribuem para uma recuperação mais rápida. Isso pode ser feito tanto nos casos mais simples — como gripes ou doenças infecciosas infantis — quanto nos mais graves, que exigem cuidados especiais, em tempo integral. Mas, seja qual for o caso, a família do doente conta, atualmente, com inúmeras facilidades — entre elas, a existência de empresas que alugam ou vendem desde camas hospitalares até equipamentos mais sofisticados, sendo possível montar unidades domésticas de terapia intensiva.

Habilidades e Prioridades

Mesmo que você não tenha tido nenhuma experiência anterior, não há motivos para sentir-se receoso se precisar tratar um doente em casa. Você precisará apenas de bom senso e dedicação para prestar os cuidados básicos. Mas é bom saber que, se houver necessidade, é possível receber treinamento adequado para realizar as tarefas mais complicadas. Geralmente, os cuidados básicos — como medir a temperatura, arrumar a cama, prevenir úlceras de decúbito e mover uma pessoa imobilizada de maneira adequada — são procedimentos muito simples. Em um grande número de casos, essas são as únicas habilidades requeridas.

O principal objetivo é manter o doente confortável, otimista e limpo. Quando alguém está confinado ao leito, o menor dos problemas toma proporções gigantescas, e ele se sentirá bem melhor se perceber que está sendo bem cuidado. Uma importante medida para garantir o bem-estar de um doente é ajudar em sua higiene pessoal e manter a cama com lençóis limpos. Se o paciente precisar de uma dieta especial, siga rigorosamente as orientações médicas sobre os alimentos que devem ser usados ou evitados.

Deficiências ou Doenças Prolongadas

Certas doenças costumam exigir muito dos membros de uma família, provocando tensão generalizada. Mas é preciso que todos tenham consciência de que, se os cuidados ficarem sob responsabilidade de uma única pessoa, ela possivelmente ficará de tal forma estressada que não conseguirá manter-se eficiente; este é o principal motivo para dividir as responsabilidades do tratamento.

Toda a família pode colaborar, por exemplo, ajudando na arrumação da cama e fazendo companhia ao doente. Os enfermeiros só devem ser chamados para tratar casos especiais, que exigem cuidados específicos que a família não pode oferecer.

Crianças e Idosos

As crianças e os idosos podem apresentar problemas específicos, que exigem cuidados especiais, porque em geral são pacientes física e emocionalmente mais exigentes. As informações nesta seção e em outras partes deste Guia podem ajudá-lo a lidar com as possíveis dificuldades envolvidas no tratamento desses doentes.

Convalescença

Eventualmente, a convalescença, ou processo de recuperação, é um período difícil, tanto para o paciente quanto para quem cuida dele — de fato, conforme vai se sentindo melhor, mais irrequieto fica o convalescente. Pode ser difícil mantê-lo de repouso ou fazer com que tome os remédios. Às vezes, no entanto, alguém que foi bem cuidado pode demonstrar resistência em abandonar o conforto e a atenção que recebeu enquanto esteve enfermo. Nesse caso, é vital que você encoraje a pessoa a ser mais ativa — respeitando suas limitações, é claro — durante toda essa fase.

CUIDANDO DE PESSOAS DOENTES

Um doente em casa pode exigir uma mudança na sua rotina diária, e muitas pessoas não têm nenhuma experiência em relação aos cuidados básicos necessários. Este artigo inclui algumas medidas práticas para ajudá-lo nessa tarefa.

Um médico ou uma enfermeira poderão orientá-lo em casos mais específicos.

Planejando o Quarto de um Doente

Se você vai cuidar de uma pessoa que ficará acamada por algum tempo, deve planejar o quarto do doente cuidadosamente, tornando-o confortável e prático tanto para quem vai ocupá-lo quanto para você. Se a casa tiver mais de um andar, por exemplo, é melhor adaptar um cômodo no andar térreo; o doente não se sentirá tão isolado e você não precisará subir e descer escadas o dia inteiro.

Escolha uma cama de solteiro, que é mais fácil de arrumar, e coloque-a, se possível, em uma posição central, tornando-a acessível de todos os lados: assim, ficará mais fácil movimentar o paciente no leito. Além disso, tente posicionar a cama de modo que a pessoa consiga olhar pela janela; isso pode propiciar uma distração agradável e alimentar um sentimento de ligação com o mundo externo. Providencie, também, uma mesinha-decabeceira para colocar, entre outras coisas, medicamentos, água, lenços de papel descartáveis e uma campainha ou sino, que o doente usará sempre que quiser chamar alguém. Se ele é capaz de sair da cama, mas não consegue ir ao banheiro com facilidade, é essencial ter por perto um vaso sanitário portátil, encontrado em lojas especializadas em equipamentos médicos.

O paciente deve dizer como prefere que seja a ventilação do seu quarto; a maioria sentese melhor quando a janela é mantida ligeiramente aberta — no entanto, é conveniente evitar a formação de correntes de ar.

Administração de Medicamentos

Os medicamentos devem ser administrados exatamente como foram prescritos pelo médico. Para não haver erros, pode-se fazer uma lista das doses diárias. Não suspenda uma medicação sem consentimento do médico, mesmo que o paciente apresente sinais de melhora.

Se um medicamento deve ser tomado quatro vezes ao dia, pergunte ao médico se as doses podem ser administradas durante as refeições e na hora de dormir. Para remédios na forma líquida, use a colher ou medidor que geralmente acompanha o produto para ter certeza de que está dando a quantidade certa; ao servi-lo, segure o frasco com o rótulo para cima; assim não há risco de o líquido escorrer e manchar o rótulo, tornando-o ilegível. Quando o paciente tem dificuldade de engolir comprimidos ou cápsulas, a ingestão pode ser facilitada com um copo de água ou leite, ou um pouco de sorvete ou iogurte. No entanto, pergunte antes ao médico se o medicamento pode ser tomado com suco ou leite e derivados.

Muitos medicamentos têm efeitos colaterais previsíveis, e o médico deve falar sobre isso com quem está cuidando do enfermo, de tal forma que seja possível identificá-los assim que apareçam. Ocasionalmente, certas pessoas apresentam uma alergia inesperada a certos medicamentos. A penicilina e os antibióticos que a contêm estão entre as drogas que mais freqüentemente causam reações alérgicas — e as respostas mais comuns do organismo são erupções cutâneas, Urticária, coceiras e respiração ofegante. Se, após tomar um medicamento, a pessoa desenvolver sintomas diferentes daqueles associados à doença, entre em contato com o médico.

Como Medir a Temperatura

A temperatura normal do corpo é de aproximadamente 37°C, podendo apresentar uma variação de 0,5 a 1°C durante o dia. Em geral, ela é mais baixa no período da manhã. A febre, em si, não representa perigo, desde que não exceda 41,1°C, mas, se ultrapassar 40°C e a pessoa sentir mal-estar, passe por seu corpo uma esponja umedecida com água morna.

Para medir a temperatura corporal de uma pessoa, você pode colocar o termômetro na boca, na axila ou no reto.

O Termômetro: atualmente, existe uma grande quantidade de termômetros disponíveis no mercado. O tradicional traz a escala de temperatura gravada em um tubo de vidro e um bulbo preenchido com mercúrio, na extremidade. Ele funciona da seguinte forma: o mercúrio aquecido na boca, axila ou reto sofre uma dilatação e atinge a marca da escala que indica a temperatura da pessoa. Uma pequena curvatura no tubo impede que o mercúrio volte para dentro do bulbo ao ser retirado do paciente. Antes de comprar um termômetro, certifique-se de que tanto a coluna de mercúrio quanto a escala de temperatura são claramente visíveis.

Pode-se ter uma leitura precisa da temperatura colocando o termômetro na boca. Porém, no caso das crianças, é mais seguro e fácil colocá-lo debaixo do braço. Saiba que existe uma pequena diferença de temperatura entre esses dois locais: na boca, geralmente ela é 0,5°C mais alta.

No caso do termômetro retal, o bulbo deve ser introduzido cuidadosamente no reto da criança, mantendo-a de barriga para baixo e segurando com delicadeza suas nádegas. A temperatura retal é cerca de 0,5°C mais alta do que a oral.

Uma criança não deve ser deixada sozinha com um termômetro na boca, axila ou reto, já que o vidro e o mercúrio podem ser perigosos se o aparelho quebrar.

Atualmente, encontram-se no mercado vários tipos de termômetros: os digitais eletrônicos, as tiras de temperatura parecidas com adesivos e até mesmo aparelhos descartáveis. No entanto, eles são mais caros, e sua precisão e confiabilidade têm sido questionadas. Por isso, ainda é melhor adquirir os termômetros de vidro.

Seja qual for o tipo de sua escolha, é importante observar algumas regras na hora de medir a temperatura. Isso nunca deve ser feito imediatamente após o banho, as refeições, o consumo de bebidas quentes ou frias ou depois de fumar, porque há riscos de se obter uma leitura errada.

Uma pessoa com febre não deve ser envolvida em cobertores nem permanecer em ambientes superaquecidos, pois isso pode aumentar ainda mais a temperatura. Consulte um médico antes de dar aspirina ou outro tipo de medicamento para abaixar a febre; e não dê aspirina a uma criança ou adolescente febril, porque ela está associada à Síndrome de Reye, uma condição potencialmente fatal.

Conforme a temperatura abaixa, o doente naturalmente transpira muito. Para repor os líquidos e os sais perdidos na sudorese, ofereça-lhe muito líquido, sopa e suco de frutas.

A Arrumação da Cama

Evite os lençóis de tecido sintético: os de algodão absorvem melhor a transpiração. É recomendável fazer a cama de manhã e à noite, e mantê-la sempre arrumada durante o dia, certificando-se de que o lençol de baixo está bem preso e não forma rugas. Os lençóis devem ser trocados a cada quatro ou cinco dias, ou sempre que estiverem sujos, e os travesseiros precisam ser arrumados de tal forma que apóiem a cabeça e também os ombros do paciente.

Para uma pessoa que precisa ficar deitada de costas, o ideal — e mais confortável — é colocar dois travesseiros lado a lado, na posição vertical, para sustentar a base da cabeça, e um terceiro horizontalmente, na base dos outros dois. Se a pessoa preferir apenas um travesseiro, posicione-o de tal forma que tanto os ombros como a cabeça e o pescoço fiquem confortavelmente apoiados.

Assim que o doente tiver condições de ficar sentado, vai precisar de sustentação nas costas. Isso pode ser resolvido usando-se mais travesseiros ou um encosto especial de espuma. Também deve ser providenciado um apoio para firmar os pés do doente — especialmente se ele for de baixa estatura — e evitar que seu corpo deslize para baixo. É possível trocar os lençóis sem tirar o paciente da cama. Primeiro, vire-o de lado e enrole a parte do lençol sujo na direção de suas costas; posicione, em seguida, a primeira metade do lençol limpo sobre o espaço livre da cama, deixando-o enrolado no centro. Movimente o doente no sentido oposto, sobre a parte limpa, e remova inteiramente o lençol sujo. Finalmente, desenrole o restante do lençol limpo, estique-o e prenda-o bem.

Bebidas, Alimentação e Dietas Especiais

A hora das refeições constitui uma atividade que, freqüentemente, alegra o dia da pessoa que está confinada a uma cama. Você deve preparar uma alimentação balanceada normal, exceto se o médico indicar uma dieta restritiva. Ao escolher os tipos de alimento, leve em consideração as condições do paciente para deglutir e mastigar, como, por exemplo, se ele usa dentadura que no momento não esteja se ajustando por perda de peso ou se tem machucados na boca. Procure orientação médica se houver necessidade de dieta especial ou alimentação intravenosa e anote a quantidade de alimentos e líquidos ingeridos para um controle dietético adequado. É provável que o doente prefira comer pequenas quantidades de alimentos até que seu apetite volte ao normal. É importante verificar, também, se ele está tomando a quantidade de líquidos adequada. Se o médico prescrever uma dieta especial a ser mantida durante muito tempo, é bom comprar um livro de culinária com receitas de acordo com o caso; ou, então, peça ajuda a um nutricionista.

Dieta com Pouco Sódio: o médico recomenda esse tipo de dieta para pessoas que sofrem de problemas cardíacos , doenças do fígado , doenças renais ou Pressão alta. Costumamos ingerir mais sal do que o necessário. Em geral, o sódio pode ser reduzido consideravelmente com medidas muito simples — por exemplo, não colocar saleiros na mesa e não adicionar sal no preparo dos alimentos. Deve-se evitar, também, alimentos com alta quantidade de sódio, como carnes e peixes defumados, queijos, enlatados, manteiga ou margarina.

Se o médico considerar necessário restringir ainda mais o sal, ele indicará os alimentos que devem ser evitados. No entanto, o uso de temperos, ervas aromáticas, suco de limão ou até mesmo de sais dietéticos pode dar um sabor agradável aos pratos. Freqüentemente, após várias semanas numa dieta desse tipo, as pessoas já não sentem falta do sal a que estavam acostumadas. Mas, se o paciente sofre de uma doença renal, cheque com o médico se é conveniente usar um sal dietético que também não contenha potássio.

Dieta com Baixo Nível de Proteínas: recomendada para alguns distúrbios renais, esse tipo de dieta requer uma diminuição do consumo de carne, peixe, ovos, produtos derivados do leite e outros alimentos ricos em proteínas. No entanto, como a proteína fornece parte da energia necessária ao corpo, pode ser preciso compensar essa perda com o aumento de açúcar e de gordura.

Pacientes que Não Podem Comer Sozinhos: uma pessoa muito idosa ou gravemente doente às vezes precisa de ajuda para comer. Nesse caso, sirva alimentos bem picados, amassados em forma de purê, facilitando a sua ingestão. Mas, antes de começar a alimentá-la, coloque-a em posição confortável, prenda um guardanapo sob o seu queixo e verifique se a comida está na temperatura adequada — nem fria nem muito quente. Normalmente, alimentar alguém leva bastante tempo; portanto, use um prato térmico especial para manter a comida aquecida. Ao servir líquidos, erga ligeiramente a cabeça da pessoa, para evitar que ela engasgue, ou use um canudinho.

Alguns doentes graves só são capazes de se alimentar com líquidos. O médico pode aconselhá-lo a procurar um nutricionista para que indique uma dieta líquida balanceada e adequadamente nutritiva. Se perceber que o paciente está perdendo peso, avise o médico.

Quando um derrame paralisa um lado do corpo do paciente, o alimento tende a se acumular na bochecha do lado afetado. Se isso acontecer, massageie a bochecha, movimentando a comida para que ela seja engolida, tendo cuidado para que a pessoa não engasgue.

O uso da Comadre

Um vaso sanitário portátil embutido em uma cadeira é o que há de mais prático para quem está acamado, porque permite evacuar e urinar na posição sentada. Porém, se o doente não pode se levantar da cama, será necessário usar uma comadre ou um urinol. Muita gente acha isso desconfortável e tem dificuldade em usá-lo, principalmente se há outra pessoa presente; portanto, respeite a privacidade do paciente, afaste-se e dê a ele tempo suficiente para evacuar ou urinar. Essa atitude de respeito ajudará na recuperação e evitará problemas de prisão de ventre.

Antes de ser usada, a comadre deve ser mergulhada em água quente, enxugada e suas bordas devem ser polvilhadas com talco para que deslize facilmente em contato com as nádegas. Se o paciente não consegue levantar-se por conta própria, erga o seu quadril enquanto outra pessoa ajusta a comadre sob suas nádegas, mantendo a abertura na direção dos pés. A maneira mais fácil de ajudar os doentes completamente imobilizados é virá-los de lado, posicionar a comadre na cama na altura de suas nádegas e movimentálo de volta, colocando-o sobre ela. Após ser usada, segure firmemente a comadre e vire novamente a pessoa para o lado.

As comadres e urinóis devem ser lavados com desinfetante diluído em água todas as vezes que forem usados. Eles devem ser mantidos sempre no mesmo lugar, para que possam ser encontrados rapidamente em uma situação de urgência. O urinol deve ser deixado ao alcance do próprio paciente.

Prevenção das Úlceras de Decúbito

Qualquer pessoa que permaneça acamada por muito tempo corre o risco de desenvolver úlceras de decúbito, especialmente se os movimentos forem restritos ou a sensibilidade estiver prejudicada. Úlceras de decúbito ocorrem nas partes do corpo que sustentam o peso ou que estão constantemente em atrito com os lençóis. Os lugares mais freqüentemente afetados são os cotovelos, joelhos, omoplatas, a coluna vertebral e as nádegas.

A úlcera começa em uma pequena área de pele, que se torna dolorida, avermelhada e inflamada. Posteriormente, a pele pode adquirir um tom arroxeado, rompe-se e desenvolve uma úlcera ou ferida. Se notar qualquer área avermelhada ou sinal de inflamação, consulte um médico imediatamente. As úlceras geralmente levam muito tempo para cicatrizar, são doloridas e desequilibram a saúde geral.

Úlceras de decúbito podem e devem ser prevenidas. A não ser que o doente esteja completamente imobilizado, sempre é possível fazer com que alguém acamado se exercite de alguma forma. Mais ou menos de hora em hora, ele deve ser estimulado a movimentar os dedos dos pés, fazer uma rotação dos tornozelos, flexionar braços e pernas, tensionar e relaxar os músculos e alongar todo o corpo — dessa forma, estimula a circulação e previne a contratura ou enrijecimento das articulações. Quando não consegue se mover ou está muito fraco, você pode exercitar as suas articulações várias vezes ao dia, manualmente e com delicadeza; também deve mudá-lo de posição com freqüência.

Muita gente usa um tipo de colchão de espuma ondulado, semelhante a uma caixa de ovos, especial para essa situação. Também é comum uma espécie de armação que sustenta a roupa de cama, deixando os pés e pernas do paciente livres; é possível improvisar esse dispositivo usando uma caixa de madeira com os dois lados opostos cortados. Quando o doente está permanentemente deitado de lado, sustente seus braços e coxas para que eles não se atritem, mas não deixe de mudá-lo freqüentemente de lado para prevenir as úlceras.

Se souber que a permanência na cama será longa, adquira um colchão de ar especial. Para proteger os calcanhares e tornozelos, você pode utilizar, embaixo deles, almofadas ou mesmo luvas de borracha cheias de água, como coxins. Os travesseiros cilíndricos de espuma podem ser muito úteis para dar apoio às costas quando o doente estiver de lado.

Certifique-se de que os lençóis estejam sempre limpos, secos e esticados. Lave regularmente o paciente, mantendo a pele das regiões mais vulneráveis à úlcera bem limpa e seca. Diariamente verifique se não há vermelhidão nesses locais e, ao perceber esse tipo de sinal, afaste qualquer pressão sobre a área e informe ao médico que está prestes a se formar uma úlcera.

Além dos exercícios, movimentos e higiene adequados, uma dieta balanceada também pode ajudar a prevenir úlceras.

Nas Crises de Vômito: A maioria das pessoas prefere ficar sozinha quando está vomitando; outras, no entanto, acham melhor ter a ajuda de alguém durante as crises. Assim que os vômitos pararem, ofereça ao doente um pouco de água para enxaguar a boca e, então, cuidadosamente, passe uma esponja com água morna em seu rosto.

Passada a crise de vômito, não ofereça alimentos sólidos para o paciente; depois que a náusea diminuir, ofereça, aos poucos, água, chá, caldos e suco de frutas, para repor o líquido perdido pelo corpo. Se a pessoa continuar vomitando repetidamente, procure o médico para um tratamento adicional. Ele provavelmente recomendará atenção a qualquer sinal de desidratação após o vômito — ou seja, lábios secos, perda da elasticidade da pele e redução na eliminação de urina. Quando a náusea passar, pergunte ao doente que tipo de líquido ele prefere beber. Alimentos leves (pudim, mingau, gelatina) podem ser de ingestão mais fácil.

Incontinência

A perda do controle urinário é comum entre os pacientes idosos ou aqueles que têm paralisia abaixo da cintura.

Aliviando Congestões

Ao mesmo tempo que um descongestionante nasal pode aliviar o nariz entupido, o uso freqüente desses medicamentos pode levar a um congestionamento nasal ainda maior. Consulte um médico caso o descongestionante não esteja fazendo efeito. Ele provavelmente recomendará que você observe se a umidade do ar no quarto do paciente está muito baixa.

Banho em Pessoas Doentes

O doente deve ser encorajado a manter-se limpo. O rosto e as mãos devem ser lavados pelo menos duas vezes ao dia; e os dentes precisam ser escovados após as refeições.

O corpo deve ser banhado diariamente; isso não é apenas uma questão de higiene: a sensação de limpeza e frescor levanta o ânimo, propiciando uma recuperação mais rápida. A não ser que esteja seriamente doente, mesmo o paciente acamado pode manter seus hábitos de higiene. Ofereça a ele uma bacia com água e produtos de higiene pessoal — mas forre a cama com uma toalha felpuda para proteger os lençóis. Se a pessoa decidir simplesmente passar uma esponja umedecida sobre o corpo, mantenha o seu quarto aquecido e dê a ela uma toalha extra para que possa cobrir as partes que não estão sendo lavadas, evitando, dessa forma, que fique constrangida ou sinta frio.

Lavando a Cabeça

Lavar a cabeça também é bastante positivo para melhorar o estado de ânimo do paciente. É possível fazer isso mesmo quando a pessoa não pode sair da cama.

Proteja o lençol forrando a cama com um plástico e, sobre ele, uma toalha felpuda. Posicione o paciente de tal forma que sua cabeça e ombros sejam levantados por um travesseiro e coloque uma bacia abaixo da sua cabeça. Se tiver cabelos compridos, será mais fácil lavá-los se a pessoa colocar a cabeça próximo à beira da cama, deixando que eles fiquem caídos — nesse caso, deixe a bacia no chão. Em qualquer um dos casos, molhe os cabelos, ensaboe e enxágüe normalmente.

Depois de friccioná-los com uma toalha, seque-os com um secador elétrico.

CUIDANDO DE IDOSOS

Tratar um idoso doente pode ser mais difícil do que cuidar de uma criança — afinal, eles são adultos e sabem cuidar de si próprios. Alguns preferem viver sozinhos e muitas vezes escondem seus sintomas dos familiares, temendo preocupá-los. É importante que os familiares saibam como tratá-los. Um médico pode indicar serviços especializados nos cuidados de pessoas idosas.

Alimentação

É muito provável que o idoso adoentado sinta pouco apetite. Por isso, é importante que a alimentação servida seja rica em nutrientes. Ofereça diariamente no mínimo uma refeição que inclua alimentos com alto valor protéico, como carne, queijo, peixe ou ovos e um copo de leite; e também alimentos ricos em fibras, como frutas, verduras e cereais em grãos. A não ser que haja orientação médica contrária, estimule a pessoa a tomar muito líquido para evitar desidratação.

Mudanças no Ambiente da Casa

No caso de pessoas com mais de 80 anos ou que sofram da doença de Alzheimer ou de demência senil, pode haver necessidade de mudanças no ambiente doméstico com o objetivo de prevenir acidentes.

Antes de mais nada, recomenda-se tomar medidas para evitar quedas. Para prevenir incêndios, verifique se os fios elétricos estão em ordem e não sobrecarregue as tomadas. Pode ser muito útil, também, colocar um aviso na cozinha — escrito com letras bem grandes — para que o idoso não esqueça, por exemplo, de apagar o fogo depois de usar o fogão.

Se eles têm problemas de memória, é aconselhável fazer com que usem uma pulseira com seus dados pessoais; dessa forma, poderão obter ajuda no caso de se perderem ou sentirem-se mal na rua. Reserve um lugar específico para guardar os objetos pertencentes aos idosos e que são perdidos com freqüência, como óculos, remédios, chaves etc.

É bom também ter um calendário com letras grandes e que mostre claramente os dias da semana — isso pode ajudá-los a se orientarem melhor a respeito de datas. Se a casa em que vive tem um corredor com muitas portas, é conveniente pintar a do quarto da pessoa de idade com outra cor, fazendo o mesmo com a porta do banheiro. Além disso, durante a noite deve-se deixar uma luz sempre acesa no corredor ou no banheiro.

Um recurso valioso é colocar um sistema eletrônico ao lado da cama do paciente de idade, de tal forma que ele possa pedir ajuda sempre que necessitar — isso é particularmente indicado nos casos em que ele não pode se locomover sozinho.

O controle dos medicamentos é essencial. Atualmente, existem no mercado caixas especiais, com pequenos compartimentos para cada dia da semana. Elas permitem colocar os remédios separadamente, ajudando o doente ou a pessoa responsável pelos seus cuidados a administrar a medicação corretamente. Uma alimentação adequada também é vital: muitas pessoas idosas que vivem sozinhas se alimentam muito mal, comprometendo o estado geral de sua saúde. Os membros da família também devem estar atentos aos cuidados com a higiene, orientando a pessoa para que tome banho regularmente; em alguns casos, quando há problemas de controle intestinal e urinário, deve-se providenciar fraldas especiais. No caso de idosos com demência que vivem sós, é necessário que tenham o auxílio de alguém para a alimentação, higiene e medicação. Tanto pode ser alguém da família como um profissional qualificado para esse tipo de serviço.

PREVENINDO ENRIJECIMENTO

Após uma doença grave ou cirurgia, freqüentemente o convalescente precisa ficar acamado. Embora o paciente prefira permanecer em uma posição confortável, ele deve ser estimulado a mover-se o máximo possível para evitar o enrijecimento das articulações e a perda da tonicidade muscular — o que é provável nos casos de inatividade prolongada. Você pode prevenir problemas nas articulações, por exemplo, sustentando e posicionando, cuidadosamente, os braços e pernas do paciente da maneira mais confortável, natural e livre de tensão e, também, apoiando-os em travesseiros ou almofadas.

Estimule a pessoa a exercitar todas as suas articulações várias vezes ao dia. Se o paciente estiver imobilizado, você poderá ajudá-lo a fazer os movimentos necessários. Cuidadosamente, dobre e alongue os cotovelos, pulsos e dedos; faça o mesmo com cada perna, de modo que os quadris, joelhos e tornozelos sejam movimentados.

PERÍODO DE CONVALESCÊNCIA

Após uma longa doença, leva algum tempo para que a pessoa se recupere e retome suas atividades normais. Durante o período de convalescença, todas as atividades, sejam elas físicas, mentais ou profissionais, devem ser reassumidas gradualmente. Essa precaução é essencial para uma completa recuperação.

Cuidados Gerais

No período de convalescença, é normal as pessoas ficarem entediadas e frustradas com a inatividade forçada, especialmente se estão habituadas a uma vida ativa. Para ocupar seu tempo, despertar seu interesse e diminuir a ansiedade, elas devem ser estimuladas a ouvir rádio, assistir a programas de televisão, ler jornais, revistas e livros, montar quebracabeças e, principalmente, receber a visita de amigos e parentes com quem possam conversar e trocar idéias. Caso suas atividades profissionais possam ser realizadas em casa, elas podem ser incentivadas a realizá-las, desde que o esforço seja moderado.

No entanto, é preciso ficar alerta para um aspecto: o convalescente pode acreditar, erroneamente, que está em melhores condições do que na realidade está e, por isso, sobrecarregar-se. Ao se dar conta de que seu rendimento não é aquele que esperava, é capaz de entrar em depressão e prejudicar sua recuperação. É muito importante evitar que isso ocorra. Para tanto, consulte o médico para saber com certeza o que a pessoa pode ou não fazer; se perceber que ela está indo além de seus limites, delicadamente — mas de maneira firme — tente convencê-la a parar. O médico também dirá se é preciso uma dieta especial e o ajudará a encontrar caminhos para uma rápida recuperação.

Os Riscos da Inatividade

Freqüentemente, os convalescentes — especialmente os idosos — ficam desnecessariamente inativos. O resultado disso é a deterioração física rápida: os músculos tornam-se fracos, as articulações enrijecem, os intestinos sofrem com a prisão de ventre e podem desenvolver-se úlceras de decúbito e outros problemas. Idosos inativos também estão mais expostos à trombose ou embolia e são mais propensos a desenvolver infecções respiratórias sérias como a Pneumonia. Por tudo isso, o idoso deve ser encorajado a levantar-se e manter-se ativo, dentro dos limites recomendados pelo médico.

Saindo da Cama

Qualquer pessoa que permaneceu acamada por um longo período provavelmente vai sentir fraqueza e tontura ao levantar-se da cama pela primeira vez. Ela deve ser orientada a ficar sentada na beira do leito por alguns minutos antes de colocar-se efetivamente de pé. Quando ela se sentir suficientemente firme para tentar erguer-se, fique de pé à sua frente para que ela possa se apoiar — você pode, também, fornecer uma sustentação extra, segurando-a por baixo dos braços. Em seguida, ajude-a a sentar-se em uma cadeira ou poltrona previamente colocada ao lado da cama. Se for necessário, cubra-a nmcom um cobertor para mantê-la aquecida. Assim que o paciente se sentir mais fortalecido, deve ser estimulado a tentar dar alguns passos, usando o seu braço como apoio.

Atendimento Especializado

Após uma longa doença ou um período extenso de hospitalização, é possível que se precise de atendimento domiciliar especializado — como os serviços de enfermagem, fisioterapia, terapia ocupacional e fonoterapia —, para auxiliar no processo de recuperação e, em certos casos, de readaptação. A enfermagem, no entanto, só é necessária quando a recuperação requer medidas específicas, como a manipulação de cateteres.

A fisioterapia é apropriada para os que estão recuperando sua força muscular, flexibilidade e mobilidade, afetadas por condições como um derrame, uma cirurgia ortopédica ou algum outro traumatismo. Os terapeutas ocupacionais geralmente são chamados para mostrar como lidar com problemas ligados à readaptação ao cotidiano, ajudando a elevar o ânimo do paciente. E o fonoterapeuta é indicado para participar da recuperação de pessoas que tenham sofrido um derrame ou outro tipo de problema cerebral, ensinando-as — entre outras coisas — a engolir sem engasgar, a reaprender a falar ou ainda a se comunicar por outros métodos. O médico que está acompanhando o caso certamente poderá indicar tais profissionais, com o objetivo de restaurar as atividades do paciente e dar-lhe o maior nível de independência possível.

2 comentários a "Como Cuidar De Idosas/Crianças/Doentes/Deficientes"

  1. cris | às | Responder

    Amei,este site
    faço enfermagem e encontrei tudo que precisava pra elaborar meu trabalho
    É uma linguagem simples de fácil intendimento, e uma riqueza de detalhes impressionante.
    Muito obrigada

  2. renato | às | Responder

    A minha mãe que é idosa após sofrer um AVC não se movimenta, ela necessita de cuidados especiais e contratr enfermeiras, para cuidar dela é um custo muito alto, pensei em interna-la numa clinica, mas o custo tb eh alto, dessa forma alguem saberia me dizer se eciste algum tipo de assistencia do governo, ou que devo fazer?

    Agradeco aos que puderem dar alguma informacao.

    Obrigado

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*