Tutorial Linux – Manual do Linux

1. Introdução
2. Instalação
2.1 Criação de directorias
2.2 Cópia de ficheiros
2.3 Atributo para execução de ficheiros
3. Configuração
3.1 Definir a localização da base de dados
4. Preparação da base de dados
4.1 Exportação de registos (versão DOS)
4.2 Importação (Linux)
5. Observações gerais

1. Introdução

Os procedimentos para instalação do Interface WWW para bases de dados CDS/ISIS no
sistema operativo Linux (versão 1.2.13), requer alguns cuidados especiais, principalmente
no que respeita à preparação da bases de dados a disponibilizar.

Todas as recomendação assim como a estrutura da aplicação devem ser seguidas pelo
manual “Interface WWW para bases de dados CDS/ISIS : procedimentos gerais”

Relativamente à base de dados utilizada actualmente pelo CDS/ISIS (versões 3.0 ou
superiores), sendo composta por vários ficheiros, na sua maioria binários, com uma
estrutura específica para ser suportada em ambientes DOS e Windows, não deve ser
utilizada directamente em ambiente Linux, sendo necessário fazer uma conversão dos
registos.

A simples transferências dos ficheiros da base de dados (ficheiro mestre e ficheiro do índice
de pesquisa) de DOS para Linux, não pode ser feita. Aconselha-se uma conversão dos
registos (em formato ISO 2709) da base em DOS para Linux. Esta conversão equivale à
exportação dos registos da versão para DOS, converter o ficheiro ISO (ASCII), e através de
um utilitário para o efeito, fazer a importação e criação do índice de pesquisa.

A actualização dos registos da base passa por um processo idêntico. É necessário exportar
periodicamente os registos da base original e importá-los para a base em ambiente Linux.

2. Instalação

A instalação do interface é idêntica à versão para NT. Em primeiro lugar é necessário definir
a directoria que será assumida como sendo a raiz do serviço WWW. Será dado como
exemplo o servidor WWW – Apache. No entanto poderão ser utilizados outros servidores.
Os procedimentos e as definições aqui indicadas deverão ser idênticas.


2.1 Criação das directorias

Antes de criar ou copiar ficheiros, como recomendação geral, todos os nomes (directorias e
ficheiros) devem ser escritos em letras minúsculas. Esta convenção deve ser respeitada
durante a cópia (ou transferência) dos ficheiros para o Linux. Caso isto não seja respeitado
a aplicação não funcionará correctamente, uma vez que todos os nomes de ficheiros
chamados são em minúsculas.

Deverão ser criadas as directorias a seguir indicadas, a partir da raiz do serviço WWW . No
exemplo dados é assumida a directoria /usr/local/apache. Em primeiro lugar deve ser
criada a directoria bbsoft2.

mkdir bbsoft2

De seguida deverão ser criadas dentro da bbsoft2 as seguintes directorias:

mkdir bbsoft2/bbhtm
mkdir bbsoft2/bbimg
mkdir bbsoft2/bbcgi
mkdir bbsoft2/bbdb
mkdir bbsoft2/bbtmp

Após a criação das directorias, a árvore deverá ser a seguinte (assumindo a directoria
/usr/local/apache como raiz, e outras específicas da configuração local:
 

2.2 Cópia dos ficheiros

Após a criação das directorias devem copiar-se todos os ficheiros das disquetes a seguir
indicadas. A disquete identificada com “Ficheiros para a versão Linux 1.2.13” deverá ser a
última. Esta cópia pode ser feita por FTP.

Os ficheiros a ser copiados encontram-se distribuídos por várias disquetes. Em todas elas
existe a mesma estrutura de directórios, tal como os que foram criados manualmente no
ponto 2.1.

De seguida são indicados os ficheiros que devem ser copiados assim como o tipo de
ficheiros a ter em consideração quando se fizer a transferência por FTP. As duas primeiras
disquetes são iguais para qualquer plataforma.

Disquete 1. Contém as páginas estáticas e os ficheiros de imagens.

Disquete 2. Contém os ficheiros de configuração, a base de dados e o executável.

Disquete 3 (“Ficheiros para a versão Linux 1.2.13”). Contém o executável para a versão
Linux, utilitários e ficheiros batch.
 

Nota: Após a cópia de todos os ficheiro é importante verificar se nenhum nome está escrito
em maiúsculas. Caso isto aconteça é necessário alterar o nome do ficheiro.

2.3 Atributo para execução dos ficheiros

Depois da cópia de todos os ficheiros devem ser definidos quais os ficheiros que podem ser
executados. Deste modo , recorrendo ao comando chmod, o atributo para execução deve
ser activado para os seguintes ficheiros:

Por exemplo, na directoria bbsoft2/bbcgi deve ser executados o seguinte comando:

chmod +x bbwww.exe

ou simplesmente: chmod +x *.exe

Este procedimento deve ser repetido para a directoria bbsoft2\bbdb, como a seguir se
indica:
chmod +x *.exe
chmod +x *.shInterface WWW para bases de dados CDS/ISIS

3. Configuração

Tal como para o Internet Information Server é necessário configurar o serviço WWW. Nos
ficheiros de configuração respectivos deverão ser tidos em consideração os parâmetros
relativos à definição da directoria bbsoft2/bbcgi, onde está localizado o ficheiro
bbwww.exe que será executado sempre que se faz uma pesquisa na base de dados.
Devem ser dadas as permissões de leitura e execução a esta directoria.

Devem ainda ser definidos vários alias como a seguir se indica.

De seguida são indicados alguns dos parâmetros que devem ser definidos no ficheiro de
configuração srm.conf do servidor Apache.

ScriptAlias bbsoft2/bbcgi/bbwww.exe /usr/local/apache/bbsoft2/bbcgi/bbwww.exe
Alias /bbsoft2/mnubib.htm /usr/local/apache/mnubib.htm
Alias /bbsoft2/bbimg /usr/local/apache/bbsoft2/bbimg
Alias /bbsoft2/bbhtm /usr/local/apache/bbsoft2/bbhtm

Existe em cada servidor WWW, a possibilidade de configurar o serviço. Relativamente ao
Linux existem alguns ficheiros de configuração específicos que poderão ser alterados.

Nota: Após a definição dos parâmetros de configuração poderá ser necessário fazer o
restart ao serviço.

3.1 Definir a localização da base de dados

O ficheiro de configuração existente na directoria bbsoft2/bbcgi designado por dbdef.cip
que contém a indicação da localização da base de dados deverá ser modificado, indicando a
nova localização dos ficheiros da base de dados.

Por exemplo, se o conteúdo do ficheiro for:

porb.*=/usr/local/apache/bbsoft2/bbdb/porb.*

significa que todos os ficheiros da base de dados PORB estão localizados na directoria
/usr/local/apache/bbsoft2/bbdb.

Por defeito, o conteúdo deste ficheiro é o seguinte:

porb.*=/home/bbsoft2/bbdb/porb.*
users.*=/home/bbsoft2/bbdb/users.*

4. Preparação da base de dados

Para disponibilizar o acesso à base de dados é necessário, como já foi referido
anteriormente, fazer a conversão dos registos da versão DOS.

Uma base de dados em CDS/ISIS é composta por vários tipos de ficheiros tais como o
ficheiro mestre (.mst e .xrf), ficheiro inverso (.l01, .l01, .n01, n02, .cnt e .ifp) e outros
ficheiros auxiliares tais como os formatos de visualização, tabelas de selecção, etc (.pft, .fst
e .fdt). Como não pode ser feita a cópia directa dos ficheiros da versão DOS/Windows para
é necessários fazer a conversão dos registos.

Na directoria bbsoft2/bbdb existem alguns ficheiros batch e utilitários (executáveis)
específicos para executar essas tarefas. Tal como para o ficheiro bbwww.exe, para que os
ficheiros possam ser executados, é necessário utilizar o comando chmod (ver Atributo para
execução dos ficheiros). Na directoria bbsoft2/bbdb deve ser executado o seguinte
comando:

chmod +x *.sh
chmod +x *.exe

Os pontos que se seguem explicam as várias fases da conversão dos registos em
DOS/Windows para o ambiente Linux. Estes procedimentos devem ser feitos sempre que se
pretende criar (pela primeira vez) ou actualizar uma base de dados.

Com resumo, as fases são as seguintes:

” Exportação dos registos da versão para DOS/Windows
” Conversão do ficheiro ISO resultante para um formato Unix (conversão de ficheiros
ASCII)
” Transferência para o ambiente Linux
” Importação para a base de dados
” Criação do índice de pesquisa

4.1 Exportação de registos (versão DOS/Windows)

Os procedimentos a seguir indicado devem ser realizados a través do CDS/ISIS ou de uma
parametrização, como por exemplo a Porbase.

Em primeiro lugar, deve fazer-se uma exportação de todos os registos da base de dados
actualmente existes recorrendo à opção para o efeito. Se for uma base de dados da
parametrização Porbase, normalmente a base de dados assumida por defeito é Porb.

Os passos a executar são os seguintes: a partir do menu principal do CDS/ISIS (ou da
parametrização Porbase) seleccionar a opção M – Segurança e troca de registos, seguida
da opção E – Exportação de registos (ISO 2709). Na folha de recolha de parâmetros de
exportação não é necessário fazer qualquer alteração. Deve premir a tecla
sucessivamente ou simplesmente a tecla .

Ao sair da folha de exportação (opção X do submenu) é apresentada uma mensagem a
solicitar a unidade e/ou directoria. Pode indicar-se um caminho (como por exemplo c:\www\) Interface WWW para bases de dados CDS/ISIS

ou apenas premir . Neste caso o CDS/ISIS (parametrização Porbase) assume por
defeito a directoria C:\ISIS3\SYS\.

Depois deste procedimento terminar é importante confirmar se foi criado o ficheiro ISO.
Partindo do princípio que foram assumidos todos os valores predefinidos da folha de recolha
de dados de exportação, deve executar-se o seguinte comando:

DIR C:\ISIS3\SYS\MST.ISO

Depois da exportação é necessário fazer a conversão do ficheiro ISO criado para um
ficheiro compatível com o Linux. Esta conversão é necessária uma vez que os ficheiros
ASCII em DOS e Unix apresentam ligeiras diferenças.

Nota: Este processo de conversão de ficheiros ASCII pode ser evitado, se a cópia do
ficheiro ISO for feita através de FTP, indicando que se trata de um ficheiro ASCII.

Em primeiro lugar deve copiar-se o programa que permite a conversão de ficheiros ASCII a
partir da disquete (directoria bbsoft2\bbconv). Pode assumir-se a directoria \ISIS3\SYS.

COPY A:\BBSOFT2\BBCONV\DOS2UNIX.EXE C:\ISIS3\SYS

A síntaxe para utilização deste programa é a seguinte:

DOS2UNIX ficheiro_in ficheiro_out

Em que ficheiro_in representa o ficheiro a ser convertido e ficheiro_out o nome do ficheiro
a ser criado (compatível com Unix).

De futuro, a conversão faz-se da seguinte forma:

DOS2UNIX MST.ISO PORB.ISO

(os nomes dados são arbitrários, devem apenas ser diferentes)

O ficheiro a ser transferido para o Linux deverá ser o PORB.ISO. Esta transferência pode
ser feita por FTP para bbsoft2/bbd (como sendo um ficheiro ASCII).

4.2 Importação (Linux)

O ficheiro resultante (PORB.ISO) da exportação do CDS/ISIS (versão DOS) deve ser
copiado para o servidor Linux (de preferência por FTP), para a directoria bbsoft2/bbdb.
Com a instalação do Interface, é copiada uma base de dados vazia compatível com a
plataforma.

O passo seguinte consiste na execução de um batch que fará a importação dos registos, e a
criação dos índices de pesquisa.

Assumindo o nome do ficheiro que se pretende integrar como sendo PORB.ISO e o nome
da base Porb, deve posicionar-se em bbsoft2/bbdb e digitar os seguintes comandos:

convdb.sh porb porb.iso Faz a integração do ficheiro PORB.ISO na base
Porb
ifdb.sh porb Faz a criação do índice de pesquisa

Estes deverão ser os comandos (incluindo o nome do ficheiro e da base de dados) a
executar sempre que se faz a integração pela primeira vez.

Sempre que houver registos novos para adicionar (actualização) à base de dados, deverão
ser executados os seguintes comandos:

updb.sh porb porb.iso Faz a actualização do ficheiro PORB.ISO na
base Porb. Adiciona os registos aos existentes.
upifdb.sh porb Faz a actualização do índice de pesquisa

5. Observações gerais

A Tabela de Selecção de Campos, também designada por FST, utilizada na criação do
índice de pesquisa é compatível com a versão da parametrização Porbase. No entanto, e
por limitação das aplicações não é possível utilizar na linguagem de formatação (linguagem
utilizada na criação dos formatos de visualização e nas tabelas de selecção de campos)
chamadas a rotinas externas (pequenas rotinas em CDS/ISIS Pascal). No caso da
parametrização Porbase, este tipo de rotinas é utilizada no campo 225 (Colecção), para
eliminar o caracter ) no fim do campo. Por esse motivo, este tipo de situação não é possível
de resolver.

Numa pesquisa em CDS/ISIS, quando num termo consta uma caracter que tenha um
significado lógico numa expressão de pesquisa (por exemplo, um operador de pesquisar) o
programa dá um erro de sintaxe. O parêntesis é um caracter utilizado para agrupar termos
numa expressão. Se um termo possui um desses caracteres o programa detecta essa
anomalia e não executa a pesquisa.

No caso de uma pesquisa feita através do Interface, esta situação não compromete a
pesquisa, uma vez que foram desenvolvidos mecanismos que correcção e validação sem
que o utilizador tenha necessidade de saber como ultrapassar este tipo de situação.

Faça o primeiro comentário a "Tutorial Linux – Manual do Linux"

Comentar

O seu endereço de email não será publicado.


*